Outros autores

03/01/2016 22:13

O pior desastre ambiental do Brasil conta com patrocínio oficial - Artigo de Francisco Roberto Caporal.

Por: Francisco Roberto Caporal
Recife, 20 de dezembro de 2015.

Fonte:http://redesustentabilidade.ning.com/profiles/blog/show?id=4546597%3ABlogPost%3A40420&xgs=1&xg_source=msg_share_post

O título poderia dar a entender que vou falar do desastre de Mariana, em Minas Gerais. Reconheço, com pesar, as tristes perdas de vidas (que temos que lamentar, muito!) e o enorme impacto ambiental que continuará causando danos por anos afora. Junto com isso ainda temos que ter o desprazer de ouvir das “autoridades brasileiras” que em poucos anos tudo estará “melhor do que era” e que o Rio Doce estará “recuperado”. Ou pior, ouvir o presidente da Vale do Rio Doce dizer que em 10 anos teremos de volta as condições ambientais que foram destruíram. Estas especulações, oficiais ou não, só podem nos fazer rir (ou chorar), porque mostram a fata de preparo de quem tem responsabilidade direta pelo tema. Ao contrário, especialistas afirmam que não haverá recuperação dos rios atingidos, em especial do Rio Doce, em menos de 50 anos, isto é, uma geração. Quero dizer com isso, que minhas filhas, que nunca foram ao Rio Doce, jamais o conhecerão. Isto dá uma ideia do tamanho da tragédia. Mas não foram só os rios. Perdemos mangues, grandes áreas de cobertura vegetal e outras áreas que prestavam importantes serviços ambientais, hoje contaminadas ou destruídas definitivamente. Com isso, talvez tenhamos perdido, também, centenas de espécies. O desastre mostra, ainda, a incapacidade dos ministérios envolvidos na fiscalização e de seus departamentos, institutos, etc, que se mostraram ineficientes para gerenciar e prevenir riscos daquela monta e de entender o tamanho dos impactos. E tem gente tão despreparada tratando do assunto, que já precificaram o desastre. Imediatamente, as empresas responsáveis devem depositar 2 bilhões de reais, mas “acham” que para resolver o problema todo, o preço pode chegar a 20 bilhões. De onde estas “especialidades” tiraram estes valores? De alguma cartola, possivelmente. Este é mais um exemplo do lado catastrófico da gestão da natureza no Brasil. Além disso, cansa a paciência de qualquer um escutar e ler na grande mídia, repetidamente e acriticamente, a exortação desse como sendo o maior desastre ambiental do Brasil. Por favor, nos poupem!

Mas não era disso que eu ia falar. O título deste texto se refere ao que eu considero, de fato, O MAIOR DESASTRE AMBIENTAL DO BRASIL – A DESTRUIÇÃO DO BIOMA CERRADO.
Todos nossos biomas são objeto da ação destrutiva gerada pelo modelo de desenvolvimento, de produção e de consumo que adotamos. Entretanto, o caso do Cerrado é emblemático, pela fúria com que vem sendo destruído em poucos anos e pela naturalização desse processo destrutivo como algo necessário para o “progresso”.
O Cerrado brasileiro ocupa cerca de 24% do território nacional, algo como 2.047.067 km². É o segundo maior bioma do Brasil e é a Savana com maior biodiversidade do planeta. Não bastasse, é considerado “berçário” de cerca de 20 mil nascentes, logo, importante fonte de águas doces para 12 regiões hidrográficas, cabendo destacar que é de suma importância para o abastecimento das bacias do Amazonas e do Pantanal e que vem do cerrado cerca de 90% das águas que correm para a bacia do São Francisco. Trata-se, portanto, de uma “cisterna” que abastece cerca de 1.500 cidades, de 11 estados brasileiros.
Segundo algumas fontes, o Cerrado abriga (ou abrigava) nada menos do que 12.000 espécies de plantas, 199 espécies de mamíferos, 837 espécies de aves, 180 espécies de répteis, 150 espécies de anfíbios, 1200 espécies de peixes e 67000 espécies de invertebrados. Considerando que no Cerrado temos apenas 2,85% do bioma como Unidade de Conservação Permanente Integral (UCPI) e somente 5,6% do território como Unidade de Conservação de Uso Sustentável e que muitas das espécies acima referidas têm seus habitats fora destas áreas de preservação é óbvio afirmar que os riscos de extinção são eminentes. Só não vê quem não quer ver, ou tem outros interesses que não a proteção da natureza. 
Pois bem, dias atrás a ministra do MEIO ambiente (parece que é só MEIO mesmo) festejou que só metade do Cerrado foi destruído até agora. Pode? Outro ministro, na ocasião o da agricultura, em março de 2011, chegou a dizer à imprensa que a expansão da fronteira agrícola nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e oeste da Bahia “não teria impacto ambiental nenhum”, pois “lá não tem nada, só cerrado”.
Isso nos dá uma ideia do descaso das autoridades para com os impactos que o modelo de desenvolvimento rural/agrícola brasileiro vem causando neste bioma. Em geral, quando se fala de desmatamento, as autoridades se referem à Amazônia, pois ela está aos olhos do mundo, mas esquecem dos demais biomas, que estão sendo objeto de grande pilhagem ambiental. Enquanto isso, em 40 anos, cerca de 50% do Cerrado já foi destruído. Talvez não haja exemplo igual no mundo. 
Há registros da presença de populações tradicionais no Cerrado que datam de cerca de 15 mil anos, não obstante, a destruição mesmo começou nos anos 50 e se tornou diabólica a partir dos anos 60-70. Mas não foi sem o apoio governamental que se consolidou este processo danoso de destruição. Pois a ocupação não teria tido o mesmo rumo e, talvez, o mesmo poder destrutivo se não fosse a oferta de crédito rural subsidiado, assistência técnica gratuita, ensino de ciências agrárias dominado pelo modelo da Revolução Verde e as pesquisas científicas de a Embrapa. Tudo dinheiro público para impulsar a destruição.
A maioria dos políticos e cientistas se orgulham por terem criado as condições de ocupar o Cerrado e se jaculam por ser o bioma o segundo maior produtor agrícola/pecuário do país. A pergunta que não quer calar é a seguinte: para produzir o que? Para quem? E a que custo ambiental e social?
Assim como ocorreram mortes causadas pelo desastre de Mariana, no processo de ocupação/destruição do Cerrado ela ocorrem em proporções MUITO MAIORES. Os registros de mortes de indígenas, camponeses, pequenos agricultores que lutam por suas terras estão por toda parte. Também é enorme e frequentemente divulgada a expulsão destes povos das suas terras, pelo avanço dos produtores de cana-de-açúcar, soja, algodão, milho, eucalipto e de pecuária extensiva. Tudo isso, sob o olhar das autoridades. O mesmo ocorre com os geraizeiros, quilombolas, vazanteiros, sertanejos, ribeirinhos e outros povos tradicionais. Há maior contradição do que dar o Bolsa Família e ao mesmo tempo apoiar um modelo que os expulsa a gente do campo. 
Os subsídios ao crédito, as pesquisas de órgão oficiais e a assistência técnica gratuita, continuam. Enquanto isso, a atual ministra da agricultura festeja a famosa nova região de fronteira agrícola (MATOPIBA) e, desta forma, a destruição com apoio oficial se aprofundará.
Há municípios no Cerrado que, segundo dados oficiais, chegaram a desmatar mais de 90% de seus territórios. Há pesquisas que mostram o enorme assoreamento dos rios devidos aos processos erosivos e perda das matas ciliares. Os lençóis freáticos estão baixando. Fontes estão secando. A contaminação por agroquímicos chega às raias do absurdo. Há pesquisas que mostram a presença de agrotóxicos na água da chuva, em poços de escolas e até no leite materno. Isso tudo é o que se chama de progresso no Cerrado. Enquanto poucos enriquecem e o governo junta algo para seu balanço de pagamentos (dinheiro afinal malgastado), todos os demais brasileiros têm que pagar a conta e as futuras gerações perdem ainda mais.
Quando vamos parar de financiar a destruição do Cerrado e tudo de danoso que está associado a ela. Será que a sociedade brasileira não deveria ser consultada para dizer se quer ou não que este modelo continue.
Segundo os últimos informes a que tive acesso, em torno de 57% do Cerrado ainda está em pé. Quer dizer, cerca de 1 MILHÃO de Km² já foram destruídos em cerca de 40 anos. Grande parte do que resta está muito dispersa, em fragmentos. Talvez menos de 20 a 30% ainda esteja intacto. Quem sabe, salvar estes 30%? Segundo alguns estudiosos do Cerrado, se continuar tudo como anda acontecendo, em 2030 o Cerrado deixará de existir como tal. Quer dizer, o bioma Cerrado deixará de ser estudado em biologia, geografia ou outras disciplinas. Passará a ser estudado na disciplina de história. Era uma vez....
É preciso fazer algo, denunciar, lutar. Mas o que não pode continuar, mesmo, é o dinheiro dos impostos pagos pela sociedade continuar sendo usado para financiar este que é o MAIOR DESASTRE AMBIENTAL do Brasil.
Se os governos colocassem todos os recursos que financiam a destruição socioambiental em curso no Cerrado, para apoiar um grande processo de transição agroecológica, possivelmente ainda poderíamos recuperar parte do estrago já feito e avançar na direção de um processo sócioambientalmente mais equilibrado. As futuras gerações agradeceriam muito


Contatos

Endereço:
Av. Beira Mar, 2376, Apto 603, Ed. Varandas de Guarapari - Praia do Morro
CEP: 29.216-010 - Guarapari/ES

Telefones:
(27) 3362-2258 - (27) 99949-9268

E-mail:
jurandir@fazendaecologica.com.br

Copyright 2015 - Todos os direitos reservados.
Fazenda Ecológica.

versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo